Vinhos falsos: só um foi condenado. E por que 43 mil garrafas na adega?

vinhos-raros-3

A Netflix colocou em sua grade o documentário “Sour Grapes” (Uvas Azedas), com a história mirabolante do indonésio Rudy Kurniawan, que enganou muita gente nos Estados Unidos nos últimos anos vendendo vinhos caríssimos de safras antigas, sobretudo da Bourgogne, habilmente falsificados. Há quatro meses postei esse caso aqui e, vendo o documentário, fiquei impressionado com as imagens mostrando Rudy pavoneando sobre vinhos e as mentiras a respeito da origem de seu dinheiro.

Mas fiquei ainda mais intrigado com uma frase ao final dizendo que ninguém mais foi condenado – Rudy está numa prisão na Califórnia cumprindo 10 anos de cana. Claramente se mostra que ele teve cúmplices na maracutaia, sobretudo o leiloeiro que vendia os lotes de vinhos falsos. Mas também fiquei pensando nos absurdos da vida nesse mundo, que mostrou mais uma de suas faces no caso do bilionário que ficou indignado por ter sido iludido pelo indonésio e contratou detetive e ex-agente da CIA a peso de ouro para desmascará-lo. Satisfeito, passeia pela imensa adega e a pergunta fica no ar: pra que um homem de seus 80 anos tem 43 mil garrafas de vinho guardadas? É um colecionador, se justifica. Ah, bom…

Anúncios